.Filosofias Recentes

. Eu ainda estou aqui

. Sobre o que perdi

. Wordporn

. Without Fear

. #rafaenmadrid

. State of flux

. É uma loucura...

. Deixa

. Say what you need to say

. Boa viagem ... Boa sorte!

. Restart

. Fim do vinte dezoito...

. Geronimoooo!!!

. Bipolaridade

. Razões ...

. Because you are dear to m...

. O lado feliz

. Certa e acertada

. Equilíbrio

. Lost

. Mais ou menos

. Dar (mais) certo

. Errado

. Let it all go

. My dumb opinion...

.Filosofias Passadas

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Junho 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Janeiro 2018

. Agosto 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Abril 2013

. Outubro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2004

Aquele presente

Maria_Rita.jpg Grande CD... não só pela qualidade musical como pelo significado da prenda!!! É verdade foi uma daquelas ofertas que nao repeti o nome!!! (para os mais atentos já sabem o que isso significa ao receber algo - ensaio de 17 de Fevereiro 2004)

A cantora Maria Rita Mariano, ou somente Maria Rita, ocupou todos os espaços das novas promessas do ano. Foi a redenção de uma MPB antepassada - por isso alguns críticos a condenaram - mas também uma aposta no futuro da sobrevivência da voz bem timbrada, interpretação acima do linear, harmonização além do beabá do pop.

O impacto de ser filha de um mito tragicamente desaparecido como Elis Regina sem dúvida impulsionou Maria Rita em suas estratosféricas vendas de mais de 350 mil CDs e 85 mil DVDs, numa era de pirataria deslavada e impune. Mas há um momento onde essa curiosidade inicial acaba e a novata tem de andar por suas próprias pernas. Tal rito de passagem apoia-se no repertório e no acompanhamento, ítens igualmente contestados, mas que parecem ter obedecido a uma articulação sagaz ou casualidade sortuda.

Elis ascendeu para o sucesso em plena fase de supremacia dos trios (piano, baixo, bateria) da bossa nova. O trio básico formado por Tiago Costa (piano), Fábio Sá (baixo acústico) e Marco da Costa (bateria), mais eventuais acréscimos, também alicerçou Maria Rita na travessia do passado para o futuro.

Seu disco parece começar onde Elis terminou, na escolha de autores como Milton Nascimento, Rita Lee, Jean & Paulo Garfunkel, Natan Marques e até de um bolerão. Ajustadas as contas com o retrovisor, seu repertório abraça o contemporâneo Lenine e consolida a posição de Marcelo Camelo, do grupo Los Hermanos, como um dos novos autores capazes de congregar repercussão e reflexão, transitando com desembaraço entre o pop/rock e a MPB. Não é pouco para quem esperou até os 26 anos para assumir a herança genética e encarou a tarefa de reativar um segmento do mercado relegado ao acostamento nas duas últimas décadas.

Fonte: Jornal do Brasil - por Tárik de Souza - 28/12/2003

Ensaio do filósofo rafapaim às 00:52
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De rafapaim a 20 de Fevereiro de 2004 às 02:00
Muito obrigado pela prenda! Espero que isto sirva de prova de como gostei do CD... ainda estou a ouvir neste momento (também ganhei faz nem umas duas horas!!! ehehe!). Não era preciso mas gostei! adorei! amei!

Comentar post

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31