10 comentários:
De rafapaim a 11 de Abril de 2005 às 22:45
so12... ainda a pensar nisso... mas já tudo esteve mais longe!
De so12 a 11 de Abril de 2005 às 20:23
E ela foi ao cinema?
De rafapaim a 9 de Abril de 2005 às 00:07
Anjo... não acabamos sempre por esquecer o que foi mau?!
De rafapaim a 9 de Abril de 2005 às 00:06
Anjo... então parabéns!
De Anjo a 8 de Abril de 2005 às 12:44
Mais um dia começa lentamente, com a preguiça matinal de quem está cansado e os carros passam agora ritmados de um lado para o outro, tantas sao as faces que por mim passam, desconheço-as a todas como por vezes me desconheço a mim própria .
Vagueio hoje na rua sentindo o crepitar das folhas debaixo dos meus pés, as folhas que o Outono fez cair deixando as árvores na sua nudez magnifica. mostrando o ser glorioso que se esconde ao longo do ano.
Tentei no outro dia, provar a mim mesma que ainda havia esperança , que a minha alma nao tinha morrido, que a ferida se escondia algures no meu peito . Não encontrei e a busca frenética de algo em que já nao existe aumentou a magoa possuida daquele dia que quero esquecer, mudar ,alterar mas que no fundo nao esqueço ....

De Anjo a 8 de Abril de 2005 às 12:25
rafapaim , sim originalissimo !!
Inventado , criado por mim .....
Tenho mais .......
De rafapaim a 7 de Abril de 2005 às 23:34
Anjo... um texto bonito de se ler... original?
De Anjo a 7 de Abril de 2005 às 12:44
Por vezes há dias que deveriamos conseguir extrair da nossa memória como se de uma folha de um livro se tratasse . Uma folha que se rasga alterando assim toda a história .Mas a mente humana em toda a sua grandeza, grita lá do fundo "Lembra-te!!!" É triste nestes dias sentir que nada podemos fazer para alterar o que vivemos o que tanto nos marcou ao longo anos que passaram.E conforme o tenir do tempo passa, sentimos que nada mais podemos fazer.Como as ondas do oceano, bailamos lentamente entre o tempo que nunca pára, as lembraças de um passado feliz e o agora.... Agora, agora nada existe e apenas o passado me atormenta, me persegue,me condena a um viver solitario e distante . E o casulo tão esquecido,tão distante na minha memória, voltou a abrir uma fenda para que eu pudesse entrar. Há algo dentro dele que me chama,que me atrai dizendo baixinho " vem , vem..." tento agora afastar-me,fechar os olhos para não o sentir mas ele soltou uma corda de fumo que me agarra e puxa . Talvez o meu destino seja viver dentro dele,desse casulo que um dia criei e que nunca esqueci. Não pretendo o Amor, há muito tempo que deixei de querer amor, de sentir aqueles sentimentos arrebatadores da paixão,que o homem tão comum,tão mortal deseja. Apenas quero estar livre extraindo da minha mente que um dia vivi. Será apenas a vontade de deixar de existir? Não, não é.Há muito tempo que nao existo, desde o dia em que morreu a minha alma e por detrás das portas do meu peito chove,faz frio como num dia de inverno . E as lagrimas que tanto guardo querem sair,talvez seja apenas para limpar a minha face.Aquela que sorri,que brinca e se diverte escondendo o vazio que está no meu peito e a busca incessante de algo que perdi . De que vale sonhar? se apenas criamos ilusões do amanha.De que vale amar? se apenas nos leva a chorar.E o movimento da rua não para,desloca-se como o tempo, sugando o fremitante tic tac de um relógio igual para toda a humanidade.Mas o guerreiro deixou de lutar,parou no seu longo caminho determinando o seu próprio fim.Pq um guerreiro apesar de nao ser chorado morre quando velho ou lesionado já não tem foeças para lutar, para cantar os canticos da batalha ou apenas da vitória.E o leão adormecido parou de rosnar,cansado e pesado adormece ao longo dos seus ultimos dias.Dias que não acabam jamais e pesam no seu corpo, na mente como se da lua se tratasse.Hoje o sol decidiu mostrar-nos a sua graça,o dia está bonito e decerto algures por aí existe um casal de namorados que aproveita este calor enquanto nao chega a hora da despedida .Mas eu estou só, minto estou com a minha consciência que me faz escrever estas pequenas linhas no papel.E as pessoas que treambulavam na cidade começam agora a agitar-se correndo para suas pequenas vidas como loucos,tentando alcançar o destino ,as suas ambições.Como desejava poder viver assim na loucura de um dia a dia rotineiro que nao nos deixa pensar ou simplesmente ouvir aquela pequena voz, que grita incessantemente "Lembra-te ! Lembra-te do que foste e já nao és e nunca esquecas que o ontem nunca acabou ".
De rafapaim a 6 de Abril de 2005 às 22:50
Angel... apenas a reproduzir uma letra de música!
De Angel a 6 de Abril de 2005 às 20:33

Estás inspirado....

Comentar post