.Filosofias Recentes

. Outro reinício ...

. 5 sentidos...

. Calma! Está tudo perfeita...

. É desta vez...

. Desperdício

. Indiferenças

. Certezas!

. Perspectivas…

. A dor do amor

. Também é amizade

. A vida segue!

. Livro dos Loucos

. Basta o essencial

. Redes Sociais

. Eu no meu papel

. Indian Piggy

. Anonimamente ela...

. Voltou a acontecer

. Eu quero ser o teu proble...

. The Space Between

. o quatro do quatro a uma ...

. Sutilmente

. Deus está aqui

. Semelhanças...

. Onde você mora?

.Filosofias Passadas

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Abril 2013

. Outubro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Seu olhar...

De entre todas as coisas que gosto em ti, é o teu olhar que me prende.
É ele que me arrebata.
Parece um lugar comum mas não é o caso. De lugar comum, o teu olhar nada tem.
O teu olhar amarra-me. Enleia-me numa teia da qual não consigo, nem quero, desligar-me. Torna-me cárcere de desejos e emoções.
Prende-me. Prende-me os sentidos, prende-me o coração, prende-me a língua, a fala, os tendões das mãos, as rótulas dos joelhos, as articulações dos tornozelos, e o sorriso idiota com que fico depois de o ver.
É por isso que tenho esta dificuldade em descrever, analiticamente, o teu olhar.
Impossível! Rendo-me às evidências da minha incompetência, do teu olhar.
O teu olhar não se resume a um mero globo ocular e a uma íris coberta por uma córnea.
O teu olhar é responsável pela captação da luz do sol inteira, deixando escuro qualquer meio-dia, e reflecte, dos seus 25 milímetros de diâmetro, uma alma interminável.
A tua luz atinge qualquer objecto como uma precisa visão raio-X de todas as artérias do meu coração.
Obrigas-me a penetrar nesse tecido aquoso, pela pupila, a entrar no globo ocular e a atingir o cristalino.
Absorves-me os raios de sol todos, paralelos, vindos do infinito, e converges-me na fóvea central da tua retina.
Uma água infindável onde convergem todos os raios luminosos... e o meu coração.
Um ponto focal sobre a retina onde milhões de células fotossensíveis reagem.
Através do teu nervo óptico é o meu cérebro que é afectado.
Descarregas em mim mil imagens num processamento contínuo de sensações.
Desfazes-me o córtex visual e esmurras-me o peito por dentro.
Olhas-me.
São os teus olhos que me vêem. Mas sou eu que através deles que tenho uma visão perfeitamente nítida do paraíso.

Ensaio do filósofo rafapaim às 00:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Março de 2009

Ecos apenas...

Queria tanto agarrar na tua mão e dizer-te que ainda vamos a tempo de roubar a esse tempo toda a felicidade do mundo. Apenas. Tivesse essa palavra a forma e intensidade certa para abrir novamente a porta... Apenas. Queria tanto que o brilho de ter essa palavra na minha retina e o seu ecoar no meu ouvido fizesse estremecer o corpo de forma a apagar tudo o resto. Tivesse não tanto o ler mas o escutar dessa palavra o poder de cicatrização emocional. Apenas.

Não são gestos e palavras, sejam elas quais forem, que fazem mudar mas antes algo de inexplicável e forte... que chamam de amor apenas! Tantas foram as vezes, e provavelmente outras tantas serão que as nossas atitudes não acompanham as nossas palavras... e os nossos gestos não traduzem a nossa vontade... mas talvez exista alguém que sabe no fundo o que somos e que confia nisso!

Ensaio do filósofo rafapaim às 13:59
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Março de 2009

Nem uma boa lembrança...

Que qualidade a gente deve esperar de alguém com quem pretende ter um relacionamento?

Aquelas que se esperaria do melhor amigo. O resto, é claro, seriam os ingredientes da paixão, que vão além da amizade. Mas a base estaria ali, na confiança, na alegria de estar junto, no respeito, na admiração, na qualidade, em não poder imaginar a vida sem aquela pessoa, em algo além de todos os nossos limites e desastres.

Talvez seja um bom critério. Não digo de escolha, pois amor é instinto e intuição, mas uma dessas opções mais profundas, arcaicas, que a gente faz até sem saber, para ser feliz ou para se destruir. Eu não quereria como parceiro de vida quem não pudesse querer como amigo. E amigos fazem parte dos alicerces emocionais, são um dos ganhos que a passagem do tempo nos concede.

Falo daquela pessoa para quem podemos telefonar, não importa onde ela esteja nem a hora do dia ou da madrugada, e dizer: "Estou mal, preciso de você". E ele ou ela estará com a gente pegando um carro, um avião, correndo alguns quarteirões a pé, ou simplesmente ficando ao telefone o tempo necessário para que eu me recupere, me reencontre, não me mate, seja lá o que for.

A amizade é um meio-amor, sem algumas das vantagens dele, mas sem o ónus do ciúme, o que é, cá entre nós, uma bela vantagem. Ser amigo é rir junto, é dar o ombro para chorar, é poder criticar (com carinho), é poder apresentar namorado ou namorada, é poder aparecer de chinelo de dedo ou roupão, é poder até brigar e voltar um minuto depois, sem ter de dar explicação nenhuma.

Ensaio do filósofo rafapaim às 04:59
link do post | comentar | favorito
Domingo, 8 de Março de 2009

Think out of the box!

Penso com carinho nos carinhos que não virão, nos caminhos que não mais se cruzarão, nas coisas que, eu sei, vou esquecer. E nas que não. Lembro das coisas que talvez você lembraria e acho graça pensando que elas podem ter se passado bem além do seu campo de visão.

Fico feliz por a sua vida continuar por afinal ter tantos amigos, lugares para ir e convites para partilhar. Tudo se sabe. Boa sorte para os dois.

Ensaio do filósofo rafapaim às 23:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Março de 2009

Apenas...

Queria segredar ao teu ouvido, num sussurro inaudível - "Amo-te".
Apenas. Só.
E tu compreendias.
Pronto, estava feito.
Condensava nesta palavra tudo aquilo que te queria dizer e tu percebias, e absorvias na perfeição.
"Amo-te". Apenas.
Entendias todas as dimensões da palavra, numa morte a todas as figuras de estilo, (metáforas e hipérboles incluídas), sem descrições polissilábicas ou excessos adverbiais, sem quando, como, porquê, quem ou onde, sem sujeito, predicado, complemento directo ou indirecto.
Com obliteração de vírgulas, pontos finais ou exclamações, e num afogamento completo das interrogações que te passam pela cabeça. Sem analogias a outra relações, uma oração simplificada.
As vogais essenciais e as consoantes Q.B.
Um encontro vocálico de ditongos inexistentes (crescentes, decrescentes, abertos ou nasais).
Completamente sem entoação, acentuação e até com ausência de pronúncia.
Um "amo-te" depurado de sílabas e translineações.
Sem grau ou flexão.
Sem pronomes ou advérbios.
Um rasgar determinante - dos possessivos, demonstrativos, relativos, interrogativos ou indefinidos.
Sem locuções adverbiais escondidas.
Sem preposições ( contracções ou locuções), interjeições ou derivações.
E depois tudo voltava ao normal.
O teu sorriso voltava a sorrir e desmanchava-se para me dizer de volta:
- Eu também.
Um "amo-te" apenas.
Limpo. Mas pleno de significado.

Ensaio do filósofo rafapaim às 13:38
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31