.Filosofias Recentes

. Find Me

. Outro reinício ...

. 5 sentidos...

. Calma! Está tudo perfeita...

. É desta vez...

. Desperdício

. Indiferenças

. Certezas!

. Perspectivas…

. A dor do amor

. Também é amizade

. A vida segue!

. Livro dos Loucos

. Basta o essencial

. Redes Sociais

. Eu no meu papel

. Indian Piggy

. Anonimamente ela...

. Voltou a acontecer

. Eu quero ser o teu proble...

. The Space Between

. o quatro do quatro a uma ...

. Sutilmente

. Deus está aqui

. Semelhanças...

.Filosofias Passadas

. Agosto 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Abril 2013

. Outubro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

Terça-feira, 20 de Dezembro de 2005

Filosofias mega-hiper bem!

Outro mistério desvendado de ser “bem” (beto, ricardinho, tio)…

É preciso ter um carro… um bom carro, isto é, topo de gama e novo… com estas condições pode andar de cabeça de erguida e “tirar onda” com qualquer miúda que se impressiona com pouco!!!

Por vezes, estas personagens não têm o poder económico que desejavam... mas para tudo a gente arranja um jeito (e dessa forma não são desmascarados) … e foram inventados uma série de truques para se continuar na mó de cima.

Na falta do carro xpto… a malta também acha “super bem” (ler com voz anasalada) andar com um carro velho… todo podre… do tempo da pré-história… para tal aconselho os seguintes modelos (não desfazendo ninguém) …

Renault 4L (top dos tops)
Fiat 600
Citroen 2Cv

Pormenor importante é que estes carros não podem estar em condições de normal conservação… eles devem estar sujos, estragados e com autocolantes que represente algo bem (surf, marcas, viagens)!

Não sei mas eles tem as suas próprias filosofias… e olhem lá que não fica bem dizer que são baratas!!!!!
Ensaio do filósofo rafapaim às 23:14
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2005

Na Base de Dados

"Trabalhava numa fábrica do pensamento, na secção da imaginação. Tinha a seu cargo os sonhos eróticos de milhares de portugueses acima da idade regulamentar, uma vez que antes dos 18 anos era estritamente proibido sonhar com determinadas temáticas. Tinha passado brevemente pelo departamento das aspirações políticas, mas cedo percebeu que não tinha jeito para mentir. Gostava mais de acompanhar as pessoas nos seus tempos mortos, de lazer, proporcionar doces ilusões de felicidade. Se algum casal se zangava, nessa noite era sabido que sonhariam um com o outro, e com os melhores momentos que tinham passado juntos. Amanheciam mais tranquilos, com um sorriso apaziguador nos lábios, e sem se lembrarem como, já tinham feito as pazes. As velhas viúvas sonhavam muitas vezes com os seus maridos perdidos, e com o futuro risonho dos filhos e dos netos, uma preparação suave para a partida breve.

Mas o que lhe dava mais prazer era construir novos casais. Procurava na base de dados por várias horas, pesquisando os interesses e ambições de cada jovem, até encontrar um par que fosse a combinação perfeita. Depois, punha-os nos sonhos um do outro durante várias noites seguidas, sempre em cenários paradisíacos, praias, biquínis, sol e mar. Os sonhos iam evoluindo suavemente, mudando de cenário, desapareciam por um mês, para reaparecer em seguida.

Até que um dia, por algum acaso, os dois protagonistas se cruzavam na rua, nos transportes, ou se encontravam numa festa. Surgia de imediato uma cumplicidade, uma empatia que eles não sabiam a que deviam atribuir. Apenas sabiam que se sentiam terrivelmente bem um com o outro, como se fossem velhos amantes. O primeiro toque já não era surpresa, enchia-os da certeza do amor eterno.

E isso, mais que tudo, deixava-a feliz. Esperava encontrar um dia, na imensa base de dados, o par ideal para a sua vida, aquele que iria sonhar com ela noites a fio, e acordar um dia com a certeza que tinha descoberto o seu amor."

Não podia deixar passar este texto que acho simplesmente espectacular!!! A autoria é da Sónia do blog Horas Negras

Ensaio do filósofo rafapaim às 23:48
link do post | comentar | favorito
Sábado, 17 de Dezembro de 2005

Que nem um brinco

Ora bem… vamos lá fazer um texto daqueles... daqueles que fica um brinco!!!

Nem sei bem o que isso quer dizer…

Afinal o que é mesmo algo ficar “um brinco”?!?!

- A casa está limpa e arrumada… está num brinco”
- A comida está saborosa… está um brinco”

Um adjectivo que vai desde o quantitativo ao qualitativo… nem sei porque é que acham que um brinco é sinal de algo bom, limpo, arrumado, asseado.

Sim, nunca vi a definição “um brinco” para algo de errado ou mau…

Pior mesmo é quando é acompanhado de um gesto de levar dois dedos à orelha e enquanto falam “está daqui”... que raio também é isso?!?! A cartilagem da orelha é assim tão especial?!?!

O texto acaba aqui… e sem piada eu não brinco!!!

Ensaio do filósofo rafapaim às 00:25
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 10 de Dezembro de 2005

Despedida complicada

Complicando o que é fácil também na despedida o povo tem de ser confuso…

Não podíamos ficar pelo simples adeus!?!

O adeus ficou rotulado de uma despedida mais fria e que representa uma ausência longa…

O até logo ficou reservado para despedidas com reencontros mais ou menos breves (nem vou entrar na filosofia barata do que é mais ou menos… fica para depois!!!)

O até já serve para despedidas breves em que voltamos a estar reunidos em escassos espaços temporais (gostei da sonoridade escassos espaços!!! ehehe)!

Não parece complicado mas onde entram o até depois?! Já se vê?!

Uma ausência curta para duas pessoas que se gostam representam um adeus… outros desejávamos que o até já fosse eterno e outras ainda que o até logo não tem aplicação (sempre demoram muito e devia ter sido adeus ou são tão céleres que o até já tinham mais lógica!)

E o “tchau” … ou “xau”… que diabo isso representa?!!

Ensaio do filósofo rafapaim às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31